Sim, eu, Ovelha Anorética, regressei, finalmente. E este meu primeiro post vai ser um relato de revolta de uma ovelha indignada com o seu novo habitat. Porquê?
Bem, quando cá fomos acolhidas, tanto eu como a Bulímica e Obesa fomos recebidas com olhares estranhos, de reprovação. Entretanto, lá nos fomos habituando à nova quinta e aos seus habitantes, que muito serão criticados por mim nos próximos meses. Há dias, fomos informadas de que, semanalmente, se dava uma selecção para o abate (sim, .Medo): as ovelhas são levadas até um monte que fica a uma distância considerável da quinta e aquelas que não aguentarem a viagem são mortas – eu avisei que era uma quinta estranha… Pois bem, ontem lá aconteceu isso. Eu, a Bulímica e Obesa, lógico, não tivemos grandes dificuldades (a Obesa teve algumas, lá para o fim…) e conseguimos atingir o nosso destino. Outras ovelhas, contudo, derrotistas, começaram a cair logo no início da viagem. “Despachem-se, não desistam”, balia eu. “Não conseguimos!”, respondiam elas, e estatelavam-se no chão. Mesmo depois de saberem as consequências, desistiam. Simplesmente, não queriam saber. Derrotistas. Odeio-as, profundamente. O pior é que, no fim, quem merece o destaque são elas, as que morrem, e não nós, que chegamos ao destino e nem um “parabéns” conseguimos. Isso sim, é o pior de tudo. Odiei.

P.S.: Comparem com a vossa vida e digam-me se não odeiam também! Mé!